quadro

O QUE SIGNIFICA…

Written by Giovanni Nunes on . Posted in Crônicas e Artigos

Devemos pensar com cuidado e clareza no que dizemos ou expressamos para as pessoas, mas também devemos estar atentos as mensagens que ouvimos. Somos ao mesmo tempo emissor e receptor, professor e aluno, pai e filho, chefe e subordinado. Ninguém escapa deste fato na vida.

A verdade é que nem sempre sabemos nos comunicar, falhas no entendimento tanto de emissão como de recepção de uma mensagem, de um código ou sinal podem nos levar ao fracasso ou no mínimo a uma confusão.

Esta semana lendo sobre John F. Carrington. Missionário britânico nascido em 1914 em Northamptonshire me refez pensar muito sobre este assunto. Com vinte e quatro anos ele foi para o continente africano e lá ficou até o fim de seus dias.

Ele relata sua batalha para aprender os inúmeros dialetos existentes na África e sua experiência é realmente uma história que todos deveriam conhecer para avançar na construção de um ser humano mais completo.

Com detalhes ele certa vez disse que a diferença era mínima entre dizer ele vigiou a margem ou ele ferveu a sogra já que as palavras para proferir ambas as frases eram as mesmas, com a diferença apenas na tonalidade de som de voz assumida ao emitir a mensagem.

Quem nunca se encontrou nesta situação de Carrington? Entre dizer ou escutar alguma coisa e dar significado diferente daquilo que se diz ou escuta. Aqui o grande problema que carregamos em nossa jornada.

Às vezes a vida, as pessoas, as situações querem nos ensinar algo importante, mas não compreendemos no momento. Resumindo damos outro significado aquilo que está diante de nós. Anos, décadas mais tarde deciframos o código daquele momento guardado em nossa mente e aí tudo se esclarece.

Para alguns pode ser fácil para outros não, estes são os passos da vida que temos que viver em nossa jornada pessoal, saber comunicar, transmitir, ouvir e entender tudo o que devemos ensinar e aprender. Um caminho único, íntimo e particular no qual ninguém pode ser melhor mestre que nós mesmos, enfim a vida de sua sogra ou a espera na margem do rio depende da tonalidade que damos aos significados.

Copyright: Sociedade Brasileira de Bugei - Todos os direitos reservados