rio

TODO QUESTIONAMENTO MERECE UMA RESPOSTA

Written by Giovanni Nunes on . Posted in Crônicas e Artigos

Poucas são as empresas, famílias ou pessoas que se utilizam de uma política de transparência para gerir os negócios, o social e a vida. Quando me refiro a transparência quero dizer no zelo e cuidado com a informação pessoal e alheia que circula em nossa volta.

Às vezes ou na maioria do tempo tentamos cavar oportunidades que nos levem a ter informações privilegiadas para uso pessoal e egocêntrico.

Para confirmar o que disse acima basta pensar na seguinte pergunta: Quem nunca falou mal de alguém em vez de resolver o problema antes que este se tornasse quase impossível de resolver? Isto é o que acontece na maioria dos casos, não é mesmo.

Aplicamos a política da fofoca em vez da política da transparência, um mal perigoso nos dias atuais onde a informação pode girar o mundo em questão de segundos.

Muitos de nós fomos educados a ter medo de compartilhar aquilo que sabemos, entendemos que existe mais benefício em esconder do que revelar, se estamos de posse de um conhecimento estamos na frente, é esta a sensação que gira e fomenta nossas ações.

Assim ignoramos um benefício simples e inesperados que a transparência oferece; que o compartilhamento de informações melhora o desempenho. Por que? Porque nos força a uma atitude radical de derrubar as barreiras do ego explorando exaustivamente nossas fraquezas e erros, o que por sua vez nos impulsiona a um auto aprimoramento.

É fácil enxergar os erros, o que não é fácil e aceitar o fato de que devemos nos aprimorar constantemente na vida para sermos melhores a cada dia que passa.

Quando oferecemos uma transparência de como imaginamos a vida nossa junto a de outras pessoas, no emprego, na família ou mesmo nos momentos de diversão estamos trabalhando em um contexto mais elevado de compreensão da vida, o que por sua vez capacita outras pessoas a trabalhar com mais eficácia e a contribuir mais porque não são ignorados ou deixados em segundo plano. Isto dá a credibilidade necessária para surgir confiança e respeito mútuo.

A regra básica para adoção desta pratica parte do pressuposto em acreditar que as pessoas são boas em sua essência, o que elas necessitam mesmo é de oportunidades para colocar esta parte boa que achamos que não existe nas práticas do dia a dia nas relações.

Não é fácil e muitas vezes vai parecer utópico, mas se não tentarmos aplicar isto como parte de nosso cotidiano como vamos responder aos questionamentos da vida que sempre merecem respostas?

Copyright: Sociedade Brasileira de Bugei - Todos os direitos reservados